close

Varejistas preferem dinheiro e cartões, mas PIX já aparece no radar

Pesquisa da Fundação Dom Cabral mostra quais meios de pagamentos estão sendo usados preferencialmente pelos varejistas brasileiros

varejistas
por Redação janeiro 20, 2022
  • Inovação e transformação digital Mais informações
    Inovação e transformação digital

Uma pesquisa inédita da Fundação Dom Cabral, com apoio da Brink’s Brasil, acaba de mostrar os meios de pagamentos mais utilizados pelos varejistas brasileiros. O dinheiro aparece na frente, seguido pelos cartões de crédito e de débito, mas a novidade é o PIX, que foi apontado por 84% dos comerciantes entrevistados e que superou opções tradicionais como o boleto bancário (citado por 45% dos entrevistados como meio de pagamento) e o cheque. O PIX também se destaca quando a pergunta é o meio de pagamento preferido, ocupando a terceira posição, atrás do dinheiro e do cartão de débito, mas à frente do cartão de crédito, de acordo com o levantamento.

Pautada pelo objetivo de identificar e compreender os hábitos e preferências dos executivos que atuam no varejo em relação aos meios de pagamentos, a pesquisa  foi realizada em todas as regiões do país, com 58,3% da amostragem em cidades do interior e 41,7% nas capitais. O objetivo foi buscar um retrato fidedigno da condição do país com diversas situações e com grande disparidade de infraestrutura e de economia pelo seu território. O levantamento ouviu 500 varejistas de variados portes, sendo a maioria dos entrevistados sócios e proprietários de micro e pequenos estabelecimentos.

Dinheiro ainda prevalece entre os varejistas

De acordo com o levantamento, o dinheiro ainda é a forma de pagamento mais aceita pelos varejistas brasileiros (96%), seguido pelo cartão de crédito e cartão de débito (91,5% e 89,7%, respectivamente). 

dinheiro

Os especialistas da FDC estimam que 50% dos segmentos do comércio e serviços ainda preferem em primeiro lugar o dinheiro como forma de pagamento, destacando a moeda pela sua isenção de taxas (57,5%), seguido pela sua liquidez/prazo para receber (27,5%) e por ser mais prático (23,3%). Os estabelecimentos nordestinos são os que mais gostam de receber em dinheiro (57,3%).

Já os estabelecimentos de grande e médio porte apresentam maior preferência pelo cartão de crédito e débito, que colocam as opções entre as principais de faturamento do comércio no geral: (1) Cartão de Crédito, com 32,9%; (2) Dinheiro, com 31,8%; e (3) Cartão de Débito, com 25,6%. 

Entre os dados levantados, é nítida a crescente representatividade de aceitação das carteiras digitais e aplicativos (54,1%), que são meios de pagamentos citados como usuais nos negócios que possuem o ticket médio de até R$ 30,00. As vantagens mais citadas em relação às carteiras digitais são: praticidade (28,2%) e segurança (21,3%).

Para Fabian Salum, professor Ph.D. em Estratégias Competitivas e Modelos de Negócios da Fundação Dom Cabral, responsável pela equipe de pesquisadores do projeto, o levantamento com varejistas traz pontos bem interessantes: “Com a parceria da Brink’s Brasil, conseguimos realizar essa importante pesquisa para o mercado de consumo, alcançando diferentes perfis de varejistas em regiões que saem da bolha das grandes metrópoles, trazendo um resultado mais fidedigno do Brasil”, disse. 

Já Gil Hipólito, diretor de Desenvolvimento de Novos Negócios da Brink’s Brasil, destacou a importância do estudo lembrando que ele ajuda a entender o futuro do uso do dinheiro para os varejistas. “Foi muito importante ter a Fundação Dom Cabral nos ajudando a analisar movimentações de consumo da sociedade”, afirmou.