close

Relatório de riscos globais do WEF aciona sinal de alerta 

Relatório de Riscos Globais 2022 do Fórum Econômico Mundial (WEF) aponta que cinco dos dez maiores riscos são ambientais

riscos globais
por Redação fevereiro 18, 2022
  • Impacto positivo e legados sustentáveis Mais informações
    Impacto positivo e legados sustentáveis

As três maiores ameaças que a humanidade enfrentará nos próximos dez anos envolvem questões ambientais, de acordo com o Relatório de Riscos Globais 2022 do Fórum Econômico Mundial (WEF). Lançado em janeiro deste ano, o documento lista o trio de ameaças de forma clara: fracasso nas ações para combater as mudanças climáticas, eventos climáticos extremos e perda de biodiversidade. Ainda de acordo com o relatório, cinco, dos dez maiores riscos listados, são ambientais. 

Além do fracasso da ação climática, do clima externo e da perda da biodiversidade, o “top ten” dos riscos a longo prazo inclui mais duas ameaças que envolvem sustentabilidade: os danos ambientais produzidos pela humanidade e a crise dos recursos naturais. Acompanhe, neste resumo, os principais pontos do documento e a avaliação dos outros riscos:

O que é o relatório de riscos globais do WEF 

Conhecido internacionalmente como Global Risks Report, o documento faz parte de uma série que acompanha as percepções de riscos globais entre especialistas em riscos e líderes mundiais em negócios, governo e sociedade civil. Ele examina os riscos em cinco categorias: econômica, ambiental, geopolítica, social e tecnológica. Todos os anos, o relatório também analisa os principais riscos a serem explorados em capítulos mais aprofundados – esses podem ser riscos que aparecem com destaque, aqueles para os quais os sinais de alerta estão começando a surgir ou possíveis pontos cegos nas percepções de risco. O relatório traz ainda reflexões sobre resiliência, com base nas lições do segundo ano da pandemia. 

Retrospectiva Covid-19

falha na seguranca

Os entrevistados para a elaboração do documento observaram que os riscos sociais e ambientais pioraram desde o início da pandemia, com destaque para a “erosão da coesão social” e “crises de subsistência”. Outros riscos identificados como tendo piorado significativamente são “crises de dívida”, “falhas de segurança cibernética”, “desigualdade digital” e “reação contra a ciência”.

Perspectivas e sentimentos

Apenas 11% dos entrevistados acham que o mundo seria caracterizado por uma recuperação global acelerada até 2024, enquanto 89% perceberam que as perspectivas de curto prazo seriam voláteis, fraturadas ou cada vez mais catastróficas. Outro destaque é que 84% dos entrevistados expressaram sentimentos negativos sobre o futuro. O pessimismo generalizado pode criar um ciclo de desilusão que torna a ação galvanizadora ainda mais desafiadora. 

Os entrevistados sinalizaram que os riscos ambientais têm o potencial de causar mais danos às pessoas e ao planeta, seguidos pelos desafios sociais. As “crises da dívida” e os “confrontos geoeconômicos” também estão entre os dez principais riscos por gravidade na próxima década. 

Visão a curto, médio e longo prazo

A “erosão da coesão social”, “crises de subsistência” e “deterioração da saúde mental” são três dos cinco riscos vistos como as ameaças mais preocupantes para o mundo nos próximos dois anos. Essa cicatriz social agrava os desafios da formulação de políticas nacionais, limitando o capital político, o foco dos líderes e o apoio público necessário para fortalecer a cooperação internacional nos desafios globais. 

A saúde do planeta, no entanto, continua sendo uma preocupação constante. Os riscos ambientais – em particular, o “clima extremo” e a “falha na ação climática” – aparecem como os principais nas perspectivas de curto, médio e longo prazo. No médio prazo, riscos econômicos como “crises da dívida” e “estouro da bolha de ativos” também surgem à medida que os governos lutam para equilibrar as prioridades fiscais. No horizonte de longo prazo, os riscos geopolíticos e tecnológicos também são preocupantes – incluindo “confrontos geoeconômicos”, “contestação de recursos geopolíticos” e “falha de segurança cibernética”.

Resposta internacional 

As opiniões dos entrevistados em 15 áreas de governança diferentes sinalizam uma grande decepção com a eficácia dos esforços internacionais de mitigação de risco. O combate à “facilitação de comércio ilegal”, “crime internacional” e “armas de destruição em massa” foram classificadas como áreas com esforços mais eficazes por apenas 12,5% dos entrevistados. Por outro lado, “inteligência artificial”, “exploração espacial”, “ataques cibernéticos transfronteiriços e desinformação” e “migração e refugiados” foram vistos pela maioria dos entrevistados como as áreas onde a mitigação internacional não começou.

Recuperação mundial divergente 

A recuperação desigual dos países pode levar ao surgimento de prioridades e políticas divergentes em um momento em que a comunidade internacional deveria colaborar para o combate à Covid-19 e a cura das cicatrizes da pandemia. Em alguns países, o rápido progresso das vacinas, os saltos digitais e o retorno ao crescimento pré-pandêmico anunciam melhores perspectivas para este e os próximos anos. Já os que estão fora desse esquadro podem ficar sobrecarregados por anos, se não por décadas, com lutas para aplicar até mesmo as doses iniciais de vacina, combater as brechas digitais e encontrar novas fontes de crescimento econômico.

Estagnação econômica

O desafio mais sério da pandemia é a estagnação econômica. As perspectivas macroeconômicas permanecem fracas, com a economia global prevista para ser 2,3% menor até 2024 do que seria sem a pandemia. Os preços das commodities, a inflação e a dívida estão subindo tanto no mundo desenvolvido quanto no em desenvolvimento. A pandemia e suas consequências econômicas continuam a sufocar a capacidade dos países de controlar o vírus e facilitar uma recuperação sustentável. Juntamente com os desequilíbrios do mercado de trabalho, políticas protecionistas e crescentes disparidades em educação e habilidades, as consequências econômicas da pandemia correm o risco de dividir o mundo em trajetórias divergentes.

Transição para zero carbono 

zaero carbono

Governos, empresas e sociedades estão enfrentando uma pressão crescente para fazer essa mudança. Uma transição agressiva e rápida aliviaria as consequências ambientais de longo prazo, mas poderia ter impactos severos de curto prazo, como milhões de trabalhadores da indústria intensiva em carbono desempregados ou desencadear tensões sociais e geopolíticas. Por outro lado, uma transição mais lenta prolongaria a degradação ambiental, as fragilidades estruturais e as desigualdades globais. Trajetórias divergentes entre países e setores estão criando mais barreiras à colaboração e cooperação em ambos os cenários.

Dependência de sistemas digitais 

Intensificada pela resposta ao Covid-19, essa dependência alterou fundamentalmente as sociedades. Ao mesmo tempo, as ameaças à segurança cibernética estão crescendo e ultrapassando a capacidade das sociedades de preveni-las ou respondê-las efetivamente. Ataques à infraestrutura crítica, desinformação, fraude e segurança digital afetarão a confiança do público nos sistemas digitais e aumentarão os custos para todas as partes interessadas. À medida que os ataques se tornam mais severos e amplamente impactantes, tensões já agudas entre governos impactados por crimes cibernéticos e governos cúmplices em sua comissão aumentarão à medida que a segurança cibernética se tornar outra cunha para divergência, em vez de cooperação, entre os estados-nação.

Migração em crise

A crescente insegurança nas formas de dificuldades econômicas, o agravamento dos impactos das mudanças climáticas e a perseguição política podem forçar milhões a deixar suas casas em busca de um futuro melhor. No entanto, em muitos países, os efeitos persistentes da pandemia, o aumento do protecionismo econômico e a nova dinâmica do mercado de trabalho estão resultando em maiores barreiras à entrada de migrantes que podem buscar oportunidades ou refúgio. 

A diminuição das oportunidades de migração ordenada e o efeito de transbordamento nas remessas correm o risco de atrapalhar um caminho potencial para restaurar os meios de subsistência, manter a estabilidade política e diminuir as lacunas de renda e trabalho.

A Terra não é o limite

Apesar de os humanos explorarem o espaço sideral há décadas, os últimos anos testemunharam um aumento na atividade privada e pública, criando novas oportunidades e também sinalizando que o espaço sideral é um domínio emergente de risco. A consequência mais imediata do aumento da atividade espacial é um risco maior de colisão entre a infraestrutura próxima à Terra e objetos espaciais. 

Problemas como esse podem afetar as órbitas nas quais os principais sistemas da Terra dependem, danificar equipamentos espaciais valiosos ou desencadear tensões internacionais. A crescente militarização do espaço também corre o risco de uma escalada de tensões geopolíticas, principalmente porque as potências espaciais não colaboram em novas regras de governança.