close

Pandemia mostra impacto sobre as mulheres no mercado de trabalho

Women in Work Index, da consultoria PwC, completa dez anos e mostra impacto da Covid-19 na diversidade das empresas

por Redação junho 3, 2022

O Women in Work Index, da PwC, mostra que o mercado de trabalho feminino foi afetado pela primeira vez desde que o índice começou a ser publicado, há dez anos. Embora a edição recente seja de 2022, os dados mostram que em 2020 houve uma queda histórica provocada pela pandemia. Com isso, menos mulheres ocuparam vagas no mercado de trabalho. 

Para a PWC, o progresso em direção à igualdade de gênero no trabalho foi atrasado em pelo menos dois anos, nos 33 países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) analisados. 

“As perdas de emprego das mulheres devido à pandemia de COVID-19 foram relativamente piores do que as dos homens. Isso foi demonstrado por taxas mais altas de desemprego feminino e menor participação feminina no mercado de trabalho em 2020 em toda a OCDE”, destaca o relatório do Women in Work Index 2022. “Em todo o mundo, as economias estão se recuperando dos danos causados ​​pela pandemia e a ação governamental e empresarial para enfrentar a crise climática é maior do que nunca. Os novos empregos verdes que estão sendo criados na transição para o carbono zero apresentam enormes oportunidades para economias e forças de trabalho em todo o mundo”, acentua o documento. 

Entre os países analisados, a pesquisa mostra que as mulheres que criam os filhos pagam uma “penalidade da maternidade” no subemprego, progressão mais lenta na carreira e rendimentos mais baixos ao longo da vida. 

Filhos pequenos afetam mulheres no mercado de trabalho

O aumento da carga de cuidados infantis não remunerados, suportados por mães e mulheres que criam filhos durante a pandemia, foi um dos principais impulsionadores do efeito desproporcional durante esse período. 

De acordo com a análise da OCDE, ao examinar mulheres e homens com status de paternidade comparável em 25 dos 33 países da OCDE, as mães de crianças menores de 12 anos tinham mais de 3 pontos percentuais de probabilidade de deixar o emprego do que os pais de crianças menores de 12 anos (entre o primeiro e o terceiro trimestre de 2020). Para mulheres e homens sem filhos menores de 12 anos, a diferença era inferior a meio ponto percentual.

Mulheres brancas sofrem menos

As mulheres de minorias étnicas experimentam resultados de emprego significativamente piores do que as mulheres brancas no Reino Unido, alertando para outros pontos de desequilíbrio. Elas recebem salários mais baixos e têm taxas de desemprego mais altas. 

Dados do Office for National Statistics (ONS), do Reino Unido, mostram que essa disparidade aumentou na última década. Também indica que as desigualdades enfrentadas pelas mulheres das minorias étnicas foram exacerbadas pela pandemia, com suas taxas de desemprego subindo substancialmente mais do que para outros grupos.

Além de avaliar o balanço da pandemia nos últimos anos, o relatório da PwC também aponta para o futuro, chamando a atenção para a transição das economias globais para o zero líquido: os empregos verdes correspondentes criados e a demanda por habilidades verdes associadas. Segundo os analistas da PwC, as mulheres estão em desvantagem porque essa transição poderá perpetuar ainda mais as desigualdades, a menos que haja uma intervenção direcionada. 

Em toda a OCDE, os novos empregos verdes criados estarão concentrados em serviços públicos, construção e manufatura (os três primeiros) setores que empregam quase 31% da força de trabalho masculina em comparação com apenas 11% da força de trabalho feminina.