close

Mulheres se mostram ainda mais cansadas após 18 meses de pandemia 

Pesquisa Mulheres no Local de Trabalho, da Mckinsey, mostra que as mulheres norte-americanas sentiram ainda mais com a pandemia

mulheres
por Redação fevereiro 7, 2022
  • Impacto positivo e legados sustentáveis Mais informações
    Impacto positivo e legados sustentáveis

Um levantamento da consultoria Mckinsey, realizado em setembro do ano passado, mostrou que as norte-americanas estão cada vez mais cansadas após 18 meses de pandemia. Intitulada Women in the Workplace, a pesquisa foi realizada em parceria com a LeanIn.Org. De acordo com o levantamento , as mulheres estão mais esgotadas que seus parceiros do gênero masculino, pelo menos no ambiente corporativo dos Estados Unidos. A resposta para os coordenadores da pesquisa está na iniciativa das empresas: elas precisam reconhecer e recompensar as mulheres líderes que estão impulsionando o progresso e fazer um trabalho cultural profundo para criar um local de trabalho onde todas se sintam valorizadas.

Apesar do estresse e exaustão adicionais, as mulheres estão crescendo no momento como líderes mais fortes e assumindo o trabalho extra que vem com isso: em comparação com os homens no mesmo nível, elas estão fazendo mais para apoiar suas equipes e promover a diversidade, equidade e esforços de inclusão. 

De acordo com a McKinsey, as mulheres também são mais propensas a serem aliadas de mulheres negras. No entanto, esse trabalho crítico não é reconhecido e recompensado pela maioria das empresas, e isso tem implicações preocupantes. “As empresas correm o risco de perder os próprios líderes de que precisam agora, e é difícil imaginar organizações navegando na pandemia e construindo locais de trabalho inclusivos se esse trabalho não for realmente priorizado”, destaca o documento. 

Mulheres negras continuam mais expostas a micro agressões

mulheres

Há também uma desconexão entre o crescente compromisso das empresas com a equidade racial e a falta de melhoria que vemos nas experiências cotidianas das mulheres negras. Elas enfrentam tipos e frequências de micro agressões semelhantes às de dois anos atrás – e continuam muito mais propensas do que as mulheres brancas a serem alvo de comportamento desrespeitoso e “diferente”. E, embora mais funcionários brancos se vejam como aliados das mulheres negras, eles não são mais propensos do que no ano passado a falar contra a discriminação, orientá-las, patrociná-las ou tomar outras ações para defendê-las. Isso aponta para a necessidade crítica de as empresas equiparem funcionários em todos os níveis para desafiar o preconceito e aparecer como aliados.

O documento é a sétima edição de uma pesquisa anual e reuniu dados de 423 organizações, ouvindo cerca de 65 mil pessoas. De acordo com a McKinsey, o relatório fornece uma visão geral das políticas e programas de RH, incluindo o sentimento dos líderes de RH sobre as práticas mais eficazes de diversidade, equidade e inclusão (DEI). Ele também explora as experiências interseccionais de diferentes grupos de mulheres no trabalho. Um dos destaques da pesquisa é que as entrevistas em profundidade também foram realizadas com mulheres de diversas identidades, incluindo negras, LGBTQ+ e mulheres com deficiência.