close

Estudo aponta perfis de corporações que investem em startups 

Levantamento Corporate Venture Capital, da Fundação Dom Cabral, avalia como grandes corporações estão investimento em inovação

corporate venture
por Redação fevereiro 22, 2022
  • Inovação e transformação digital Mais informações
    Inovação e transformação digital
  • Impacto positivo e legados sustentáveis Mais informações
    Impacto positivo e legados sustentáveis

O universo da inovação envolve vários caminhos e um deles é o aporte de capital de  grandes corporações em startups. O movimento pode ser resumido na sigla CVC, do inglês Corporate Ventures Capital, e vem sendo acompanhado pela Fundação Dom Cabral (FDC), cujo relatório mais recente sobre o tema acaba de ser divulgado. 

Intitulado Efeito do Corporate Venture Capital para Inovação, o material é resultado de dez entrevistas em profundidade com executivos diretamente ligados à prática de CVC. Eles são um extrato de uma amostra inicial de 52 profissionais responsáveis pelo CVC em suas corporações. A maioria dos entrevistados tem mais de três anos de experiência, sendo que metade deles atua há mais de seis anos com a prática de CVC. 

A base da pesquisa foi a dissertação de mestrado de Rodrigo Graça de Melo, apresentada ao Programa de Mestrado Profissional em Administração da FDC, com orientação do professor Hugo Tadeu, do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo. Entre as conclusões do documento recém-lançado (fevereiro de 2022) está a ligação umbilical entre as empresas que adotaram o CVC com o fato de elas próprias já terem iniciativas internas consolidadas de inovação. Elas seriam ainda mais inovadoras do que aquelas que não tem essa cultura interna, na avaliação dos executivos entrevistados. 

O levantamento analisou a percepção dos entrevistados em relação a vários objetivos, desde a obtenção de retorno financeiro e de promoção da inovação, até o acesso a novos mercados e diversificação de negócios. O acesso a novos produtos e novas tecnologias também estavam na lista, assim como o estímulo da demanda e o estímulo aos fornecedores, distribuidores e franqueados. A entrada em parcerias estratégicas com a startup investida e mesmo a aquisição de uma startup investida também fizeram parte da pauta de entrevistas. 

Corporate venture capital mostra que poucas empresas investem em inovação

corporate venture

A etapa final das entrevistas com executivos buscou a compreensão da percepção deles sobre os fatores de sucesso, fracasso e limitações da prática do CVC no Brasil. “Foi compreendido ser possível a identificação dos achados como considerações interessantes sobre a prática dos mecanismos, destacando as mais predominantes pela frequência de citações, e nesse contexto, a falta de processos de Governança para a relação entre empresas investidoras e startups, impactando a absorção dos benefícios de maior destaque”, descreve o relatório. 

Para quem considera pequena a amostra de empresas pesquisadas, segue um alerta de Hugo Tadeu, orientador da dissertação que gerou a pesquisa citada. De acordo com ele, em entrevista à revista Forbes, o investimento em inovação ainda é para poucas empresas no Brasil e apenas cerca de 50 companhias que atuam no país possuem perfil para o Corporate Venture Capital ou CVC. 

Os fatores para se enquadrar no perfil incluem, por exemplo, o faturamento acima de R$ 1 bilhão e uma taxa de retorno mínima de 10%, mediante alocação de capital em startups. “O CVC, definitivamente, não é para pequenas empresas, dada a complexidade e a energia necessária para direcionar esse tipo de relação entre empresas e startups”, explicou Tadeu.