close

Brasil já tem uma “Itaipu” em geração de energia solar

Pela primeira vez, a geração de energia solar supera a capacidade de produção de energia da Usina Hidrelétrica de Itaipu

por Redação abril 13, 2022
  • Impacto positivo e legados sustentáveis Mais informações
    Impacto positivo e legados sustentáveis
  • Inovação e transformação digital Mais informações
    Inovação e transformação digital

A geração solar é a quinta maior fonte de energia no Brasil e o ano de 2022 deve ficar na história para esse setor por várias razões. A primeira delas é que o país ultrapassou a marca de 14 GW de potência em março. Essa capacidade é a soma das grandes usinas, também chamadas de fazendas solares, com a geração própria em telhados de empresas e residências. Segundo mapeamento da Absolar, entidade que reúne o ecossistema do setor, a soma desses dois universos criou um ecossistema de geração solar que supera, em capacidade, a geração da Usina Hidrelétrica de Itaipu, uma das maiores do país.

As fazendas solares são empreendimentos de grande porte, geralmente tocados por grupos de empresas, principalmente do setor energético. Já a geração própria é pulverizada e depende de retornos visíveis sobre investimentos de baixo porte, além de eficiência e garantia de fornecimento. 

Geração de energia solar ultrapassa a de termelétricas

Quando somadas as capacidades das grandes usinas e da geração própria, a geração solar também ultrapassa a potência instalada de termelétricas movidas a petróleo e outros combustíveis fósseis. O setor tem ainda um novo marco legal regulatório para a geração distribuída, publicado em janeiro deste ano, e que deve impactar nas ações futuras de atividades. 

A movimentação no segmento também pode ser comprovada por quem fornece os equipamentos de geração de energia solar. É o caso da Aldo Solar, empresa que diz deter 26% de participação de mercado e entrega um gerador de energia solar a cada 2 minutos. Os dados são da própria empresa, que indica ainda ter atingido a marca de 230 mil geradores solares no Brasil (30 mil deles somente nos primeiros três meses do ano). 

Juntos, os 230 mil geradores representam uma potência de geração distribuída de 2,2 GW de energia. E mais: essa capacidade evitou que mais de 18 milhões de toneladas de CO2 fossem lançadas na atmosfera.

As informações da agência reguladora do setor de energia (Aneel) indicam que o Brasil teria ainda 404.733 geradores ligados na rede (dados de dezembro de 2021). Já os novos investimentos na área ultrapassariam 74,6 bilhões de reais, entre grandes usinas e sistemas de geração de energia, gerando mais de 420 mil empregos acumulados desde 2012.