close

Bilionários serão os novos players do espaço, prevê especialista indiano

PhD da Escola de Estudos Internacionais da Índia (JNU), Martand Jha, avalia que entes privados terão mais domínio sobre ações espaciais do que nações nas próximas décadas

players do espaço
por Redação janeiro 28, 2022
  • Inovação e transformação digital Mais informações
    Inovação e transformação digital

Após relembrar que a corrida espacial começou na Guerra Fria entre União Soviética e Estados Unidos, com conquistas dos dois lados, o PhD da Escola de Estudos Internacionais da Índia (JNU), Martand Jha, prevê que o espaço sideral será dos bilionários no futuro. E, diferente do que foi no passado, dos bilionários privados, e não mais de nações, que precisam dividir essa atividade com as suas diversas outras obrigações de Estado.

Primeiro Martand Jha lembra que a competividade equilibrada entre União Soviética e Estados Unidos para o “domínio” do espaço encerrou com a dissolução da primeira em 1991. Ele lembra que, enquanto os Estados Unidos chegaram ao marco de enviar o primeiro homem à lua (Neil Armstrong, em 1969), a União Soviética já havia tarimbado o envio do primeiro satélite artificial (Sputnik 1), em outubro de 1957, e do primeiro homem ao espaço sideral, Yuri Gagarin, em abril de 1961. “Desde então, os EUA têm sido a força unipolar dominante nos assuntos internacionais e, por extensão, também no espaço sideral”, avaliou.

Players do espaço estão mudando

Nas últimas décadas, porém, muitas coisas mudaram, incluindo a ascensão da China nas relações internacionais e no espaço sideral. Mas mesmo o dragão chinês demoraria algumas décadas para alcançar o nível de exploração espacial dos Estados Unidos atualmente, isso, claro, se esses últimos reduzirem a sua velocidade de incremento.

Por outro lado, pontua Martand Jha, “a natureza e o caráter da corrida para conquistar o espaço sideral mudaram significativamente, se não fundamentalmente”, escreveu ele, referindo-se aos avanços de grupos empresariais multibilionários, como a SpaceX e a Blue Origin.

Segundo ele, essas companhias privadas podem se tornar os players mais dominantes do espaço nas próximas décadas, dada suas naturezas de poder se concentrar em nichos de negócios. “Isso é diferente para uma nação, que tem várias outras responsabilidades para gerenciar”, comparou o especialista. Em nações de renda média ou baixa, ele acrescentou, a dificuldade de incursões espaciais é ainda maior, o que significa mais um indicativo de que os bilionários devem mesmo ser os novos players do espaço.